Hécate


  • Raça: Deusa Ctônica
  • Aspectos: Deusa lunar; Deusa das bruxas; Deusa da magia; Deusa dos espíritos; Deusa das encruzilhadas; Deusa da mediunidade; Deusa dos marginalizados.
  • Cônjuge: Não possui.
  • Filiação: Astéria e Perses.
  • Descendentes: Circe.
  • Aliados: Ártemis; Selene; Zeus; Hades; Perséfone; Nix; Tânato; Hipnos; Héstia; Mercúrio.
  • Plantas relaccionadas: Alho; anis; avelã; cânfora; camélia; sândalo; eucalípto; olíbano; mirra; cipreste; papoula; datura; teixo; mandrágora; dama-da-noite; acônito; dente-de-leão; beladona; erva-cidreira.
  • Atributos e símbolos: Tochas; serpentes; Crescente Lunar; cães; trindade divina.
  •  Festival grego:  13 de Agosto.
Cópia romana de Hécate

Hécate (Associada com a Deusa romana Trívia) é uma Deusa misteriosa. Não sabe ao certo a origem de seu nome. Alguns dizem ser do grego, que significa "distânte" , outros opinam que seu nome é egípcio que significa "todo o poder". Hécate sempre foi vista como uma Deusa imaculada, iluminada, que sabe todos os segredos ocultos do Universo (ou soube durante a vida terrena). Com o avanço das sociedades patriarcais, Hécate começou a ser mais temida e obscura. Diziam que ela ordenava os fantasmas e maus espíritos durante a noite, e causava os pesadelos durante o sono.
Muitas feiticeiras da época seguiam devoção à Hécate, sacrificavam-lhe cães e cordeiros negros nos seus dias cultuais, uma das suas sacerdotisas míticas foi Medéia. Em seus ritos ocultos, a sacerdotisa costumava incorporar a Deusa para realizar trabalhos mágicos e aconselhar os fiéis. Algumas feiticeiras também mantinham culto a Ártemis. É interessante notar que enquanto Hécate é a Deusa da noite obscura e da lua nova, sua prima, Ártemis, é a Deusa da noite encantadora e da lua crescente.

Hécate costuma ser considerada filha de Nix em algumas tradições. Hécate também é uma Deusa Tríplice. Ela possui três aspectos, a virgem (ascenção), a mãe (auge)  e a anciã (declínio), isso também a torna uma Deusa do destino (veja Moiras).
Outro facto interessante é que toda Deusa lunar, relaccionada ao oculto, possui uma trindade, seja de qual religião for. Talvez essa triplicidade seja a base para tudo no Universo. A triplicidade simboliza o eterno ciclo que flui em todas as coisas.
A encruzilhada se associa à Deusa logicamente por ser um encontro de três caminhos. Também é interessante notar que encruzilhadas sempre são associados a vórtices e espíritos (moiras, lares, exus, pombagiras, etc). Hécate é a guia dos espíritos, senhora dos ciclos de reencarnação. Uma oferenda bastante comum desde antigamente é deixar cabeças de alho em um pequeno empilhado de pedras numa encruzilhada, geralmente era feito por viajantes, pedindo proteção à Deusa durante seu rumo.


Hécate é uma Deusa privilegiada, a quem Zeus muito respeita. Ela tem direito em partes de todos os três mundos. O poeta grego Hesíodo (séc. VIII a.C.) escreveu em seu livro Teogonia um hino inteiramente em homenagem a Hécate, onde conta suas ascendências e seu domínio em todos os três mundo, concedido por Zeus. Ela ajudou Zeus na guerra contra os Titãs. Zeus amou sua mãe, Astéria, e sua tia, Leto, na qual gerou dele Ártemis e Apolo.

Hécate é chamada pelos nomes de Soteira e também de Enódia. Ela é representada como uma mulher (ou três mulheres) segurando tochas e serpentes, ou uma mulher de três facetas, segurando tochas e serpentes, com uma coroa com o símbolo da Crescente Lunar. Seus lugares de culto são cemitérios, bosques, fronteiras, encruzilhadas, principalmente em noites de lua nova. Hécate é bastante cultuada por religiões neopagãs actuais, sobretudo a wicca, onde ela costuma ser associada inteiramente à Deusa Tríplice (princípio feminino, na wicca).

4 comentários:

  1. Parabéns pelo blog.
    Gostei muito.
    Tenho uma opinião diferente a respeito da definição sobre o que são os Deuses.
    Tenho a firma crença que os Deuses antigos, são reais, verdadeiros, é muito difícil explicar, como entender sobre magia, mas essa é minha opinião, respeitando qualquer outra, pois a verdade reside em nos próprios, em cada um de nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O divino ainda nos é um grande mistério. Admiro esta sua fé, uma fé que gostaria de ter. Mesmo eu tendo definido os Deuses como arquétipos do divino, particularmente creio na triplicidade dos mundos e em sete manifestações reais do divino (que existem independente de nossa mente), resumidos na alquimia e muito presentes na religião grega.

      Excluir
  2. para aqueles que se interessarem ai vai um dos hinos órficos traduzido do espanhol, a Hekátê

    I. A HEKÁTÊ

    Invoco a Hekátê, protetora dos caminhos, nas encruzilhadas, grata, celeste, terrena, marinha, de péplos cor de açafrão, sepulcral, e que se agita delirante entre as almas dos mortos; filha de Pérsês, amante da solidão, que desfruta com os cervos, noctâmbula, protetora dos cães, invencível soberana que devora animais selva¬gens, sem laço em sua cintura, e com uma figura irresistível; que se move entre os touros, senhora guardiã de todo o universo; condutora, jovem guerreira, nutriz de jo¬vens, guardiã florestal. Em conclusão, suplico que auxilie a don¬zela nos sagrados mistérios, mostrando-se propícia ao boiadeiro de coração sempre alegre.

    ResponderExcluir
  3. falem sobre Circe!

    ResponderExcluir