Mercúrio

  • Raça: Deus Olímpico
  • Aspectos: Deus da diplomacia; Deus do comércio; Deus da loqüência;  Deus das artes acadêmicas; Deus dos ladrões e trambiqueiros; Deus da alquimia; Deus do conhecimento; Deus dos caminhos e passagens.
  • Cônjuge: Amante de inúmeras Deusas e mortais
  • Filiação: Júpiter e Maia
  • Descendentes: Hermafrodito; Dafne; Kaikos; e várias ninfas e mortais
  • Aliados: Todas as divindades, sobretudo Júpiter; Hécate; Apolo; Baco; Mnemosine.
  • Plantas relaccionadas: Lavanda; tamareira; figueira; cominho; acácia; valeriana; mirra; louro; mirtilo; verbena; palmeira; benjoim; manjerona; salsa; trevo; bredo; guaco;  .
  • Atributos e símbolos: Caduceu; sandálias aladas; barrete de comerciante.
  • Signo associado: Gêmeos.
  • Festival romano:  15 de Maio.

"A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original" – Albert Einstein

Mercúrio (Hermes, em grego), é o Deus do comércio, das relacções exteriores, da vida acadêmica, dos ladrões e do aprendizado. Ainda é considerado patrono da astronomia, do ocultismo e dos profissionais liberais. Diz-se que seu culto começou com um sábio de outrora, chamado Hermes Trimegisto, que ensinou e escreveu sobre diversas artes acadêmicas e ciências, e também ensinou ocultismo, dando origem a diversas sociedades secretas. Sua imagem deu origem ao Deus grego Hermes (Mercúrio), e ao Deus egípcio Toth. Alguns afirmam que Enoch dos hebreus é associado ao Hermes Trimegisto. Outros afirmam que o culto de Hermes veio da Ásia, e sua origem é bastante antiga, sendo um antigo Deus da agricultura e do pastoreio.

Toth é um Deus muito similar a Mercúrio, por seu abrandamento na área acadêmica, mágica, intelectual e comercial. Ao mesmo tempo, Mercúrio é muito associado também a Legba no vodu e ao Orixá Exu no candomblé, pois ambos são divindades medianeiras entre o divino e a humanidade, ambos são mensageiros, ambos possuem direito de passar entre todas as fronteiras dos mundos. Além disso, tanto Mercúrio quanto Exu são considerados loquazes e são simbolicamente guardiões das encruzilhadas, sendo as divindades mais próximas da humanidade. É dito que Mercúrio foi considerado um Deus da fertilidade e possuía um carácter fálico. Interessante notar que este aspecto fálico também está presente nas culturas da África Ocidental. Será que é o mesmo princípio divino, e só muda o nome que cada cultura lhe dá?
Reparem na forma primitiva do caduceu


Mercúrio é filho de Zeus com Maia. Esta passou a viver numa caverna com o filho, Mercúrio, temendo a fúria ciumenta de Juno. Desde o seu nascimento, Mercúrio fez muitas proezas, como roubar o rebanho de seu irmão Apolo, e inventar a lira. A lira foi depois foi concedida à Apolo. Mercúrio é também mensageiro do Olimpo, e ele também guia as almas dos mortos ao Submundo. Ele é um dos poucos Deuses que possui o direito de ir e retornar das profundezas do Submundo. Mercúrio porta consigo um par de sandálias aladas, que ele mesmo confeccionou, com elas o Deus viaja entre todos os mundos rapidamente. Mercúrio fez diversos trabalhos para Júpiter, dentre todos, levou Pandora ao encontro de Epimeteu, levou Baco ainda bebê para ser cuidado pelas ninfas na Ásia, e acompanhou Minerva, Juno e Vênus à decisão para saber qual das três é a mais bela, uma armadilha caótica feita por Éris, Deusa da discórdia.

Durante a antigüidade, sobretudo na Grécia, o culto de mercúrio esteve muito presente, principalmente junto à outros cultos envolvendo outros Deuses. Um dos principais cultos de Mercúrio foi a "Hermáia", onde faziam-se oferendas e sacrifícios ao Deus e realizavam jogos atléticos em sua honra. Nas casas, ruas, encruzilhadas e locais de livre comércio haviam monumentos chamados "Hermas", em homenagem a Mercúrio, que consistiam em uma imagem da cabeça do Deus sobre um pilar retangular.

Caduceu
O caduceu é o principal símbolo de Mercúrio. Hoje em dia o vemos nos na medicina, em centros e organizações comerciais, e até em escritórios de advogados. Hermes é padroeiro dos comerciantes, profissionais e advogados, mas o caduceu, que é um cetro, possui um significado bastante místico. significa o equilíbrio cósmico e espiritual. As duas serpentes significam a dualidade cósmica. Também está relacionado à evolução espiritual, a série de reencarnações até chegar ao auge espiritual (as asas do caduceu), enquanto as serpentes e o pilar representam também a triplicidade dos caminhos, de nossas escolhas (encruzilhadas). Hermes é o Senhor dos "caminhos e passagens". Não deve-se confundi-lo com o bastão de Esculápio. Muitos afirmam que o caduceu também possui um aspecto fálico.

6 comentários:

  1. Como disse antes, ele é o pai de Pán e não Zeús

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc sabe qual Oferenda era usada para esse Deus ?

      Excluir
    2. Geralmente para libação coloca-se azeite de oliva e para oferenda permanente coloca-se moedas em oferta ao Deus Trismegisto. Pode-se ser oferecido cevada, bolo, folhas de louro.

      Excluir
  2. Hino órfico a Hermés traduzido do espanhol:

    XXVIII. A HERMÉS

    Incenso odoroso

    Escuta-me, Hermés, mensageiro de Zeús, filho de Maía, de poderoso coração, que presides os jogos, líder dos mortais, benévolo, fértil em recursos, mensageiro Argeiphótês; de aladas sandálias, amante dos humanos, profeta da palavra entre os mortais, que te comprazes nos concursos e nos enganos astutos, portaserpentes. Interprete de tudo, que procuras sua ganância aos comerciantes, eliminador das preocupações; que em tuas mãos possuis um irreprovável instrumento de paz, Kôrykiótês, afortunado, benfeitor, eloqüente, salvador nos trabalhos, afetuoso com os mortais em suas necessidades, hábil e venerável arma da língua és para os humanos. Escuta-me em minhas súplicas, outorgando um nobre final de vida em nossos labores, na graça de nossa palavra e em nossas lembranças.

    ResponderExcluir
  3. LVII. A HERMÉS KHTHONÍOS

    Odorosa rainha de incenso

    Tu, que habitas o inexorável rastro de Kôkytós, imposto pelo destino, que guias as almas dos mortais ao fundo da terra, Hermés, filho de Diónysos, que dança com delírio báquico, e da donzela Paphía, isto é, de Aphrodítê de olhos vivos, que freqüentas a sagrada mansão de Persephónê, auxiliando as almas de funesta sina, sob a terra, como acompanhante, as que conduzes, quando lhes chega o dia fixado de seu destino, porque tudo seduzes, hipnotizador, com teu Kerykeíos (caduceu) mágico, e de novo despertas aos que estão adormecidos. Pois te deu a deusa Persephónê a honra de acompanhar as almas eternas dos mortais pelo caminho que leva ao amplo Tártaros. Bem-aventurado, envia, pois, te rogo, a teus iniciados um esplendoroso final a seus labores.

    ResponderExcluir
  4. Hino órfico a Týkhê, deusa da fortuna e da sorte, geralmente considerada um Daímôn, filho de Nýx, ou uma Ôkeanís filha de Ôkeanós e Têthýs ou mesmo filha de Hermés e Aphrodítê:

    LXXII A TÝKHÊ

    Incenso odoroso

    Aqui te invoco, Týkhê, com minhas súplicas, nobre soberana, doce protetora dos caminhos, para a obtenção de felizes propriedades, na qualidade de Ártemis condutora, renomeada, prole do sangue de Eubouleús, de irresistível desejo. Fúnebre e errática, objeto de celebração para os humanos, porque em ti reside a vida tão variada dos mortais, já que a uns proporcionas uma venturosa abundância de bênçãos e, a outros, penosa pobreza, projetando tua cólera com furor. Mas, veja, deusa, te suplico que venhas propicia a minha vida, transbordante de felicidade para alcançar um bem-estar venturoso.

    ResponderExcluir