Epimeteu

  • Raça: Titã
  • Aspectos: Deus criador dos animais; Deus da intuição.
  • Cônjuge: Pandora
  • Filiação: Jápeto e Clímene.
  • Descendentes: Pirra.
  • Aliados: Epimete; Atlas.
  • Plantas relaccionadas: Acácia; verbasco; hidrastis; dente-de-leão; manjericão; salva; lavanda; açafrão-da-terra.
  • Atributos e símbolos: Rocha.

Epimeteu foi o Deus responsável por dar as características hábeis para cada espécie de animal. Ele fez isso junto ao seu irmão, Prometeu, que foi responsável pela habilidade que deu aos humanos. Alguns mitos dizem ser Epimeteu o criador dos animais silvestres, e Prometeu o criador dos humanos, porém eu prefiro associar à própria Terra (Gaia) e o Céu (Urano) como criadores dos seres vivos.

O mito de Epimeteu é muito simbólico e cingido de metáforas, leia-o:
Prometeu e seu irmão, Epimeteu, foram responsáveis por determinar a habilidade de cada espécie de ser vivo. Epimeteu começou dando ao lobo dentes afiados para agarrar sua presa, e dando ao pássaro a capacidade de voar e escapar do predador. Todas as habilidades foram distribuídas, ele pôs tudo em equilíbrio na Natureza, para que nada falte e nada sobre. Porém, faltou dar habilidades a uma espécie, os humanos. Eles não receberam nenhuma habilidade ou capacidade, não possuíam pêlos para se protegerem do frio, não possuíam dentes afiados, nem rapidez, e nem asas.


Epimeteu então recorreu a seu irmão, Prometeu, para que este ajude os humanos. Prometeu então pensou em dar a eles o fogo, porém, o fogo era somente reservado aos Deuses, que sabiam usá-lo com responsabilidade. Com o fogo, os humanos poderiam se aquecer, se proteger, moldar metais, e criar muitas outras coisas (avanço tecnológico, raciocínio, criatividade). Prometeu então fez uma oferenda a Zeus, fingindo devoção a ele, pondo numa mesa ossos e gordura de boi dentro de um estômago de boi. Com Zeus distraído, Prometeu roubou fogo num galho de acácia e entregou à humanidade.
Quando Zeus descobriu, decidiu punir Prometeu e a humanidade.

A Prometeu, Zeus manda acorrentá-lo num rochedo no Cáucaso, e todos os dias uma ave comeria seu fígado, e todos os dias seu fígado regeneraria. À humanidade, Hefesto, a pedido de Zeus, criou a primeira mulher humana, e as outras Deusas a enfeitam e a deixaram sedutora e atraente. De Pandora foi chamada. Zeus a mandou para Epimeteu. Mesmo que Prometeu dissesse antes para não receber nada dos Deuses, Epimeteu a recebeu em sua casa. Pandora portava consigo uma caixa (ou jarro) misterioso, que Zeus lha deu e avisou para não abri-la.
A mando da curiosidade dos homens, Pandora abriu, e saiu da caixa "todos os males" (ou melhor dizendo, toda a conseqüência do progresso tecnológico humano, gerado pelo fogo), ou o "conhecimento do bem e do mal", fazendo com que haja muita discórdia no mundo. Quando Pandora fechou a caixa, somente uma coisa ficou, a Esperança. Ou seja, as conseqüências do uso do fogo geraram coisas boas (tecnologia, conforto), mas também coisas muito ruins (inveja, desconfiança, guerra, ganância). Neste mito o "pecado" foi atribuído à mulher, provavelmente porque foi um homem que escreveu e por causa do machismo da época.
Isso acontece com todo avanço humano, como o bronze, o petróleo, a aviação, tudo isso gerou mais guerras e ambição do que coisas boas. Por isso, tanto entre os gregos como em outras religiões, esta metáfora aparece sob diversas imagens, para que a humanidade sempre se lembre de seus dias de pureza.
Epimeteu, como responsável pelos dons dos animais, é associado aos instintos, às emoções, ao contrário de seu irmão, que é associado ao racionalismo, à razão. No início do mito podemos perceber que nos primórdios prevalecia o "romantismo", os instintos (factor animal), e depois, surgiu a razão entre os mortais (factor humano).

Um comentário:

  1. Muito bem explicado. Seu blog é muito bom! Parabéns

    ResponderExcluir