Proserpina

  • Raça: Deusa Ctônica.
  • Aspectos: Deusa dos ciclos; Deusa do renascimento; Deusa das estações do ano; rainha do Submundo.
  • Cônjuge: Plutão
  • Filiação: Júpiter e Ceres
  • Descendentes: Zagreu.
  • Aliados: Gaia; Nix; Hécate; Tânatos; Hipnos; Diana; Cíbele; Baco; e os Ventos.
  • Plantas relaccionadas: Papoula, gengibre; datura; açafrão-da-terra; beladona; lírio; narciso; trigo; lentilha.
  • Atributos e símbolos: Crânio; cálice; romã.

Proserpina (Perséfone, ou Koré, em grego) é Deusa dos ciclos da terra e do mistério de morte e renascimento (reencarnação). Sua mãe é Ceres, Deusa da agricultura e colheita. Seu principal mito é sobre a criação das estações anuais:
Plutão raptando Proserpina
Plutão, cansado de viver sozinho em seu palácio no Submundo, resolve se unir com uma Deusa, mas nenhuma delas queria viver eternamente nas trevas do mundo Inferior. Plutão viu um dia a bela Proserpina, filha de Ceres, colhendo narcisos com as ninfas Oceânides. Ele então aparece diante dela vindo de uma fenda no chão, em sua carroagem puxada por cavalos negros. Plutão então a rapta e a leva consigo para as profundezas. Ceres ficou desesperada por não encontrar a filha. Vagou por toda a Terra a procura dela, esquecendo seu papel como Deusa da agricultura, fazendo com que a terra fique infertil. Na cidade de Elêusis, Ceres ensinou aos mortais o segredo dos ciclos, os segredos da morte e do renascimento, gerando uma grande seita mística conhecida como "Mistério de Elêusis", baseado no mito de Proserpina.
Hécate e o Sol ajudam Ceres a encontrar a filha, até que descobrem que ela está com seu irmão Plutão nas profundezas da Terra. Ceres então pede a ajuda de seu outro irmão, Júpiter, para obrigar Plutão a devolvê-la. O senhor do Submundo aceita, porém se Proserpina haver comido algo de seu mundo, ela terá que permanecer. Proserpina havia comido algumas sementes de romã, Júpiter propõe um acordo entre eles: Proserpina passa seis meses com Plutão, e o resto do ano com a mãe. E durante esses seis meses, Ceres se entristece por não ter a filha por perto, e a terra fica infértil (outono e inverno).

Perséfone é também relacionada com os ciclos espirituais, à nossa morte e reencarnação. A morte (desencarne) é necessária, precisamos morrer para um renascer puro e renovado, fisicamente e filosoficamente falando. Ao ir e partir do Submundo, a Deusa passa por um pórtico com duas colunas de mármore, uma negra e outra branca, simbolizando a vida e a morte. Perséfone passa todo ano pelo pórtico do mundo espiritual (Submundo) para nos lembrar que todos reencarnamos e reencarnaremos e temos uma senda a seguir, até nosso espírito estar pronto para ser livre e pleno.

Costuma-se chamá-la de Cora (ou Koré) quando a Deusa está na superfície, com a mãe. Quando a Deusa está nas profundezas, é chamada de Proserpina (ou Perséfone).O romã não lha é bem aceito como oferenda, e sim considerado ofensivo à Deusa, afinal foi por esse fruto que ela ficou presa no Submundo. A partir do momento em que Proserpina comeu parte do romã, ela se transformou numa divindade ctônica.
Proserpina é rainha do Submundo, ele é freqüentemente representada sentada em seu trono ao lado de Plutão. Segundo os mitos órficos, antes de se juntar a Plutão, Proserpina engravidou de seu pai, Júpiter, e pariu Zagreu (uma encarnação passada de Baco). Juno, enciumada, ordenou que os Titãs matassem e devorassem Zagreu. Júpiter interveio, mas foi tarde demais, tudo o que restou foi seu coração. Das cinzas dos Titãs e de Zagreu formou-se a humanidade, de corpo (Titãs) e espírito (Zagreu).
Assim como Baco, Proserpina também é associada à senda espiritual e sacralidade do espírito.

8 comentários:

  1. com Haídês é mãe de Makaría, deusa dos fantasmas abençoados, e com Zeús é mãe de Melinóê, deusa dos fantasmas e assombrações.

    ResponderExcluir
  2. Hino órfico a Persephónê traduzido do espanhol:

    XXIX. HÝMNOS A PERSEPHÓNÊ

    Persephónê, filha do grande Zeús, vem, afortunada, unigênita deusa, aceita estas agradáveis oferendas, veneranda esposa de Ploútôn, diligente, vivificadora, que possuis as portas do Haídês nas profundezas da terra, Praxidíkê, de agradáveis tranças, sagrada prole de Deó (Dêmétêr), mãe das Eumenídes; soberana do mundo subterrâneo, donzela que, em procriação secreta, gerou Zeús, mãe do trovejante e multiforme Eubouleús, companheira de jogos das Hóres (estações), lúcida, de esplendida beleza, venerável, todopoderosa, jovem transbordante de frutos, luminosa, cornuda. Tu sozinha és grata aos mortais, que desfrutas na primavera com as Aúrai (brisas) que percorrem os prados, manifestando tua sagrada figura aos filhos de verdes frutos, levada a força ao leito como esposa no outono. Tu sozinha, Persephónê, és vida e morte para os muito sofridos mortais, porque constantemente tudo alimentas e aniquilas. Escuta-me, bem-aventurada deusa, e envia-nos os frutos da terra, tu, que prosperas em paz, em deliciosa saúde e em existência ditosa que fornece uma próspera velhice, soberana, do teu reino e do poderoso Ploútôn.

    ResponderExcluir
  3. Como agradar essa Deusa ? aonde aprender mais sobre ela ? o que ofertar ? daonde vem essa ligação forte que tenho por ela entre todos os deuses !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não recebi email pode me enviar novamente

      Excluir
  4. Também tenho interesse em saber qual oferenda devo ofertar para está deusa.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Podes ofertar flores de narciso, fumo preto em ramos, lentilha, e até a própria romã (não soa ofensivo uma vez que é ofertado de coração, inda sim, é uma forma de assegurar a energia da Deusa). Vinho ou bebidas vermelhas como o licor, trigo e anis estrelado. :)

      Excluir